Morcegos, fé e software juntam doutorandos no bar

A segunda sessão do PubhD UMinho juntou três investigadores das áreas da enfermagem, informática e biologia. O público interpelou com perguntas, numa noite em que a ciência foi o centro das atenções.

 Mesmo reforçando o número de cadeiras, não foi possível sentar todos os que assistiram, no Sé La Vie, à segunda sessão do PubhD UMinho. Os oradores, obrigados a gerir a exposição pública, o tempo e a apresentação do seu trabalho, confrontam-se com uma experiência diferente de interacção com o público, que pode colocar perguntas.

Paula Encarnação (45 anos, enfermeira, investigadora do ICBAS/CEHUM, Universidade do Minho) estuda o papel da fé em situações de doença crónica, nomeadamente, na esclerose múltipla. E expôs o essencial do seu projecto de investigação, em torno da avaliação da fé e da espiritualidade do indivíduo, através de ferramentas que aferem a “fé pessoal”, a “prática religiosa” e a “espiritualidade”. “Curioso é que aproximadamente 20 por cento (dos doentes estudados) sabe ter uma espiritualidade mas não a sabe identificar ou enquadrar em qualquer movimento religioso ou espiritual”, referiu Paula Encarnação para quem “a fé, aquilo em que se acredita e que é muito mais abrangente do que qualquer crença religiosa, pode gerar saúde, bem estar e capacidade de lidar com a doença”.

Eduardo Brito (30 anos, engenheiro informático, investigador do HASLab da Universidade do Minho) investiga métodos formais e a sua aplicação em programação informática. Sem poder usar computador para fazer a sua apresentação socorreu-se de analogias (manuais do IKEA por exemplo) e da namorada, que chamou ao palco para explicar  o conflito de programas que pretendem aceder ao mesmo recurso, no caso um bombom Ferrero Rocher. “Hoje todos usamos computadores, aplicações, entre outros. Aspecto comum entre eles? Todos têm de aceder a enormes bases de dados e todos existem suportados em várias estruturas de algoritmos. Ainda que sejam criados e optimizados para funcionarem de modo correcto, a “competição” por um recurso, poderá levar a reacções imprevistas e até perigosas no sistema” referiu na sua intervenção. Com o estudo em métodos formais, concretamente em verificação de sistemas, Eduardo tenta ir ao encontro deste problema com uma solução para uma verificação mais eficaz, mas sem colocar de parte a solução mais óbvia: “Uma marca de automóveis teve, durante mais de dois anos, problemas com um modelo e que outros atribuíam aos softwarecircuitos sem e a que a verificação informática não encontravasse qualquer erro . Mais tarde veio a comprovar-se que era o travão que ficava preso no tapete…”

Daniel Ferreira (34 anos, biólogo, Centro de Ciência Viva de Guimarães/ Laboratório de Ecologia Aplicada da UTAD), estuda o impacte dos parques eólicos nas populações de uma espécie de morcegos (entre as 25 espécies de morcegos existentes em Portugal) e procura perceber, através de um modelo que pretende reflectir a realidade dos parques eólicos em Portugal, a implicação directa dos aerogeradores nasos populações de morcegos e de certas aves. Fala de aerotraumas e explica: “Grande parte dos cadáveres morcegos que encontramos nos parques eólicos não apresenta qualquer mutilação com não têm origem em choques mecânicos, mas sim em o colapso do sistema respiratório. Este deve-se ao facto ddestruição (rebentamento) dos pulmões porque o movimento de rotação das pás do aerogerador provocar elevadas alterações dnea pressão ade ar tmosférica que nas suas extremidades, levam originando umàa descompressão (doe ar e consequente rebentamento dos pulmões) que imprime uma expansão pulmonar e leva ao colapso do sistema respiratório nos morcegos, provocando-lhes a morte”.

Aparentemente, é mais um morcego morto (Daniel levou um dos cadáveres num frasco para mostrar ao público), mas o problema é sério, pois o declínio nas populações mundiais de morcegos é atribuído a várias acções humanas, destruição de habitat, uso de pesticidas, bloqueio de cavernas, e interfere gravemente no equilíbrio ecológico de que todos fazemos parte.

O evento,  promovido pelo STOL – Science Through Our Lives, um projecto de comunicação e divulgação de ciência nascido no Centro de Biologia Molecular e Ambiental da Universidade do Minho, insere-se no movimento PubhD (Pub+ PhD), que surgiu em Nottingham (2014) e chegou a Portugal em 2015 (Lisboa) e que tem por objectivo divulgar ciência na primeira pessoa criando oportunidades de interacção com o público leigo.

A próxima sessão do PubhDUminho terá lugar em Guimarães, no dia 31 de Março, no Convívio Associação Bar Associativo, pelas 21 horas.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s