Equipa

ALEXANDRA NOBRE

6

11393146_780403325406131_7872863145914798310_nSou bióloga e dizem que coordeno aqui o estaminé. A comunicação de ciência (mais a sério, vá) foi um salto, há 6 anos, com a criação deste projecto STOL. Antes saltei da FCL para o IST e depois para UMInho sempre com os microrganismos atrás. Também saltei de quimiostatos para microtubos Pipetar 0,5µl foi talvez o meu maior acto de fé mas sou mais de “ver para crer”. A diversidade humana é uma grande inspiração. É tão gratificante interagir com pessoas de diferentes áreas e ver as ideias a saltar como pipocas! Sou bióloga mas também podia ser artesã. Adoro reinventar o uso de materiais. O factor surpresa é um grande trunfo. Os modelos e materiais manipuláveis são outro.

Mais sobre mim aqui e aqui.

CLARA COSTA OLIVEIRA

12319268_1754786571412036_1577197201_nDouda transdisciplinar, de filosofia, focalizada na da biologia e ciências práticas afins. Defendendo o holismo epistemológico, no qual a dimensão comunitária se integra na biológica, interesso-me pela comunicação não-verbal e pelo sofrimento humano. Vai daí também na construção/aprendizagem de ciência pelas pessoas que menos a ela têm acesso: idosos institucionalizados, doentes pós-traumáticos, adictos de substâncias ilegais…gente estranha é comigo (questão empática). Procuro o equilíbrio entre 17 anos de ioga e uma vida de dança, agora zumba. Família e amigos são os meus alicerces.

DANIEL RIBEIRO

Daniel RibeiroBiólogo pela Universidade do Minho, dediquei-me à Comunicação de Ciência no final do curso, mal sabendo eu no que me estava a meter. Hoje admito que a passar o dia no laboratório e a noite a escrever artigos não era vida para mim. Prefiro comunicar o conhecimento científico, de preferência, sem que ninguém adormeça. É, por isso, com prazer que faço parte desta equipa. Sou o elemento zen do grupo, o que faz a melhor mousse de maracujá e p’raí o 6º com mais piada.

Mais sobre mim aqui.

PAULA R. NOGUEIRA

No final do curso de Comunicação Social da Universidade do Minho fui tentada a colaborar em projectos de divulgação de Ciência. A ideia de trabalhar com cientistas sem ter um ataque de nervos entusiasmou-me. De “porquê?” em “porquê?” fui caminhando até chegar ao STOL. Interagir com o público, integrar a equipa e saber que o nosso trabalho vai mudar algo na vida de alguém é a melhor recompensa. Conhecer pessoas fantásticas, aprender coisas novas todos os dias e saciar a curiosidade com descobertas sucessivas, não deixa espaço para rotinas, nem tédio! Um leigo diverte-se imenso com estas coisas.

Mais sobre mim aqui.

Anúncios